Educação

Bater para educar: que tal deixar isso pra trás?

A formação do caráter e da personalidade de um filho é uma das grandes preocupações dos pais. O desafio não é mesmo dos mais fáceis!

Às vezes, comportamentos imaturos das crianças despertam a impaciência dos adultos e é, nesse momento, que a violência se faz presente.

Antigamente, era muito comum associar à agressão física como parte da educação. É por isso que muitos de nós temos lembranças daquelas palmadas e puxões de orelhas dos pais. Mas, para muitas crianças, a agressão física na infância é extremamente prejudicial para a formação psicológica.

As consequências negativas dessa metodologia educacional despertaram a necessidade de se debater o assunto. Recorrer à violência como forma de impor respeito, na verdade, só gera traumas e rancor.  

Esses impactos são mais evidentes do que imaginamos. Quando a violência está presente dentro de casa, é comum que a criança transfira esse exemplo para todo o seu dia a dia. Ou seja, como separar as relações da violência quando as pessoas mais importantes a sua vida a agride como forma de correção? O que impede dessa criança transferir a mesma lógica para todos os vínculos afetivos que ela construir?

Marcas invisíveis

As vivências da infância formam grande parte da percepção sobre o mundo de uma pessoa. As memórias são as engrenagens do aprendizado e da evolução.

Quando a violência passa a ser uma lembrança natural, muitos aspectos da individualidade respondem da mesma forma.  

O desenvolvimento da autoestima pode ser uma delas. O excesso de exposição em momentos de submissão refletem em uma auto descrença. O sentimento de humilhação retrai o desenvolvimento da criança, que passa a duvidar excessivamente de si mesma.

Outra grande consequência é o afastamento das crianças do convívio familiar. Essa reação gera abandono e possibilita o contato com experiências perigosas de rua.  

Mas afinal, como educar seus filhos?

O diálogo é sempre a melhor ferramenta. A psicologia fala sobre a importância das  práticas educativas indutivas. São metodologias que indicam às crianças as consequências do seu comportamento. Como suas escolhas afetam as outras pessoas e o ambiente, desenvolvendo também o poder da empatia.

Ao conversar e explicar de forma clara quais são os motivos da advertência você estabelece com seu filho uma fonte de referência. Grande parte do que as crianças fazem é por desconhecimento ou por pura vontade de chamar a atenção. Quando você dedica tempo à elas, demonstra que se importa com o que querem e pedem. Assim torna-se mais fácil que eles a respeitem, a decisão final é sua, mas eles entendem como chegaram até ali.

Um futuro de sucesso

Dessa forma, você desenvolve na criança características muito apreciadas na escola e no mercado de trabalho. A facilidade de se colocar no lugar do outro estimula a criatividade, pois se permite experimentar outras vivências. Assim também, o mercado de trabalho valoriza ações em equipes, onde as pessoas consigam dialogar e construir juntas possibilidades empreendedoras.

Ou seja, relações afetivas seguras são verdadeiras chaves para um amanhã repleto de conquistas.

 

Deixe seu comentário