menino usando o computador
Educação

Para os pais: como garantir internet segura para crianças e adolescentes

Tempo de leitura: 6 minutos

Ontem foi o Dia Mundial da Internet Segura, além disso, esta semana também se comemora a criação do Facebook, a rede social com maior número de usuários no mundo. As comemorações revelaram um sinal vermelho para o uso da internet por crianças e adolescentes.

Uma pesquisa divulgada pela Unicef chama atenção para a vulnerabilidade a que elas estão expostas. Os dados demonstram, sobretudo, o quanto as meninas estão expostas aos perigos da internet.  Um terço das 14 mil meninas entrevistadas já compartilharam vídeos íntimos na internet. Adolescentes de 13 a 18 anos com acesso irrestrito ao mundo digital.

Uma realidade que pergunta: como encontrar o limite para esta relação?

As redes sociais são componentes indispensáveis da sociedade contemporânea. É lá que muitos assuntos são gerados tanto em escala nacional e global, quanto, inclusive, as novidades familiares.

As gerações Z e Alpha, ou seja, aqueles nascidos após o ano de 1995, conhecem o mundo sob a ótica digital e carregam esse traço associado a sua existência. Por isso, é tão desafiador entender até onde vai o limite ao acesso.

A professora Nélia Mara defendeu um estudo em educação em que ela se debruçou à questão do acesso infantil às redes sociais. A tese foi apresentada na Universidade Estadual do Rio de Janeiro (Uerj) com o nome Você tem face?. Ela conversou e observou a atividade online de crianças entre 8 e 13 anos buscando entender como elas compreendem este universo.

Ela percebeu que as crianças querem estar onde todos estão.

O que pode apontar que a proibição do uso da internet por crianças não é o caminho. O desenvolvimento da criança não está condicionado a sua participação nas redes. No entanto, é inegável que estar em contato com o mundo digital possibilita uma outra formação informacional e de maturidade para elas.   

As redes sociais apresentam e cobram comportamentos típicos como interagir, emitir opiniões, compartilhar…tudo isso estimula um olhar diferenciado para o mundo. Tudo regido pela lei da exposição.

Sendo assim, as redes também fornecem ferramentas que podem ser utilizadas pelos pais para ter maior controle. O fato é que o mundo digital é baseado no diálogo constante, logo, os usuários estão sempre trocando mensagens, fotos, informações. Pode ser com uma multidão de desconhecidos ou os amigos da escola, o vizinho, um familiar. Interação é palavra de ordem.

Esteja presente na vida online

Por isso, uma forma de monitorar o uso das crianças é acompanhar online o que elas estão fazendo. O que estão postando, qual a linguagem e, sobretudo, quem está acompanhando, curtindo e comentando. Toda pessoa tem uma identidade virtual, que reflete muito as aptidões, gostos e personalidades da vida real. Conhecer esse perfil, também é conhecer o seu filho.

Dessa forma, os pais respeitam o espaço dos filhos na internet, mas ainda sim agem pela proteção deles.

 

Erika Zordan

Jornalista e Produtora de Conteúdo no Clubinho de Ofertas. Mineira de raiz, carioca de coração. Sou apaixonada por histórias e acredito muito no poder de transformação da educação.